2017: Um mundo intenso e urgente projetado nas telas do Brasil e do mundo

28 fev 2018

Os vencedores das votações do público e da crítica do 44º Festival Sesc Melhores Filmes só serão conhecidos em 4 de abril. Mas já é mais do que hora de afirmar que  2017 foi um ano especial para o cinema, tanto nas telas quanto fora delas.

Arte impossível de ser dissociada da realidade que a cerca, o cinema nasceu fascinado com o mundo e buscando registrar as cenas prosaicas, mas extraordinárias, da vida. E a história que é escrita a cada dia de um mundo em constante transformação foram ingredientes cruciais para as tantas histórias que vimos e descobrimos no cinema no ano que passou.

Não por acaso vimos Lumière! A Aventura Começa, em que ninguém menos que Thierry Frémaux (também diretor do Festival de Cannes) nos presenteia com a História e as histórias dos cinema. Da primeira Saída dos Operários da Fábrica que inaugurou o cinema em 1895 ao pós-moderno Blade Runner 2049, que nos transportou para um futuro em que medos muito atuais se exacerbam, a safra de 2017 foi um retrato nítido do mundo em que vivemos.

O ano da mulheres à frente e atrás das câmeras

Se os sintomas de nossa realidade líquida se sentem na solidão do caçador de andróides K (Ryan Gosling), as conquistas de uma sociedade global também se projetam em personagens como a princesa Diana de Mulher Maravilha e na jovem protagonista de Lady Bird – A Hora de Voar. Isso sem contar as figuras femininas contemporâneas e contundentes de Como Nossos PaisAs Duas IrenesEra O Hotel Cambridge e a Mulher do Pai, entre outros.

A mulher foi protagonista de uma produção que não só a valorizou nas histórias a serem projetadas como contou como nunca com mulheres atrás das câmeras em um mercado em que cada vez conquista mais espaço. Patty Jenkins foi a primeira a dirigir um filme de super herói e conseguiu o feito de agradar a antigos e novos fãs da Mulher Maravilha. Lady Bird é um dos raros longas concorrentes ao Oscar 2018 com uma protagonista feminina. Em tempo, em 90 edições, o número não chega a 20 produções. E mais, a diretora do longa, Greta Gerwig, é a quinta mulher a ser indicada ao Oscar da categoria. E o que dizer de Mudbound – Lágrimas sobre o Mississipi,  que deu a Rachel Morrisson a primeira indicação ao Oscar de Fotografia em 90 edições? Histórico!

Em terras nacionais, chegou às telas o premiado A Mulher do Pai,  que deu a Cristiane Oliveira o prêmio de melhor direção no Festival do Rio 2016, além de melhor atriz coadjuvante para a uruguaia Verónica Perrota e melhor direção de fotografia para Heloísa Passos. Da premiação de Gramado para o circuito nacional e mundial, chegou Como Nossos Pais. O novo longa de Laís Bodankzky trouxe a figura da mulher contemporânea em uma história nada comum mas profundamente real. Em consonância com a luta da mulher no audiovisual em território nacional e internacional, movimentos como o #metoo e #MexeuComUmaMexeuComTodas reivindicaram o respeito e o fim dos abusos de poder e sexuais em uma indústria que, obviamente, não apenas espelha o mundo, mas está no mundo.

Por um cinema mais diverso

De fato. O cinema está no mundo. E intimamente ligado à sociedade, avança com ela e também a faz avançar. O surpreendente Oscar de Moonlight – Sob a Luz do Luar em 2017 e a premiação de Ator Coadjuvante para Mahershala Alireacenderam as discussões sobre o #oscarsowhite que vinha sendo pauta há tempos e também foi a resposta aos que afirmavam que não há interesse do público mundial por histórias mais diversas e plurais.

Da safra de 2017 veio também Corra! A indicação do longa de Jordan Peele ao Oscar este ano e a força que o recém lançado Pantera Negra tem conquistado são prova de que o público quer ver novas histórias. E isso para ficarmos no chamado cinemão. No Brasil, Pitanga, de Camila Pitanga e Beto Brant, levou para as telas não só a trajetória de um dos maiores atores do Brasil, mas também a importância do negro para a história de nosso cinema.

Joaquim, ao reconstruir a história de Tiradentes com cores ficcionais mas os dois pés fincados em verdades históricas nos presenteou com um raio-X da formação de nosso caráter nacional e com a descoberta do talento de Isabél Zuaa e Welket Bungué.

E se a ficção manteve um pé dentro e outro fora das telas, o documentário não poderia  diferente. Ao retratar, refletir e revisitar a História, produções como Eu Não Sou Seu Negro (de Raoul Peck), Martírio (de Vincent Carelli), No Intenso Agora(de João Moreira Salles), entre tantos outros, revelaram um planeta em ebulição.

Talvez pegar emprestado o título do belo, e que merece ser sempre (re)visto filme de Moreira Salles, seja o melhor a ser feito ao se pensar o cinema em 2017. Foi um ano intenso e o agora esteve projetado em cada frame.

São estes capítulos da História do cinema e do mundo que o Festival Sesc Melhores Filmes vai contar e recontar em sua 44ª edição em abril. Não perca!

por Flavia Guerra

(Imagem: divulgação do filme Como nossos pais)

Carregando…

🏆 O primeiro e mais tradicional festival de cinema de São Paulo faz 47 anos! 🍿